Fumeiro

fumeiros-banner-3-01

Quem poderá duvidar que o fabrico do fumeiro tradicional é uma arte?…

Portugal possui um leque variado de produtos agrícolas e agroalimentares com uma qualidade reconhecida a nível nacional e comunitário, com base na sua origem geográfica ou com base no modo particular de produção, baseado em hábitos ancestrais, transmitidos de geração em geração.

Os últimos anos têm recordado que a agricultura tradicional reserva um potencial importante, nomeadamente os produtos artesanais e regionais de elevada qualidade. Os enchidos e presuntos de Trás-os-Montes, Beiras, Minho e Alentejo foram e continuam famosos. Entre vários fatores que poderão explicar as diferenças de qualidade entre regiões e ecossistemas, encontram-se os métodos de transformação, o ambiente e os fatores genéticos (tipo de animal utilizados).

O Fumeiro de Melgaço pela sua natureza e indiscutível excelência desenvolvida ao longo de séculos, detém um importante relevo no panorama do desenvolvimento agrário, gastronómico e cultural da região. Preparado e curado em condições naturais, pelas suas excecionais qualidades organoléticas de aspecto, cor, textura ou consistência, aroma e paladar, tem pergaminhos firmados há já mais de 500 anos.

Antigamente, o homem do campo via na matança do porco a garantia do seu sustento para o ano inteiro. Eram necessárias muitas economias para que se pudesse adquirir o leitão para engorda, destinado a ser abatido. Comprar carne aos quilos não dava resultado para as numerosas famílias, daí a necessidade de se matar um porco, que traria consigo fartura.
O fumeiro de Melgaço, nomeadamente os presuntos e enchidos, não constituem, hoje, nenhuma inovação de qualidade ou originalidade, na medida em que estes já eram produzidos há muitos anos. No entanto, por serem considerados, desde sempre, produtos de alta qualidade, passaram a ocupar um lugar de destaque na nossa sociedade e hábitos gastronómicos.

Antes, existiam como uma necessidade, como um produto energético ao alcance das classes menos abastadas, hoje, são apreciados pelos conhecedores e consumidos por todos os que realmente apreciam a qualidade e a diferença. Antes, o fumeiro era confecionado de forma rudimentar e consumido num círculo muito restrito de familiares e amigos, hoje, estão no círculo da nossa sociedade de consumo, passíveis de serem adquiridos por qualquer apreciador.

As boas características organoléticas dos produtos do fumeiro tradicional ainda se mantêm ligadas ao fabrico artesanal e à família rural. São raízes às quais não nos podemos aliar porque são a base dos nossos produtos e são o elo de ligação com um passado rico de histórias e um presente feito na história.

Atualmente pode-se falar de novas perspetivas e de um futuro que promete mais estabilidade. Vale a pena investir nestes produtos que nos oferecem abastança, qualidade e, ao contrário do que antes se pensava, são benéficos para a saúde, nomeadamente no que do porco mais se temia: a sua gordura.

Esta realidade atual jogará um papel fundamental na agricultura do presente e certamente do futuro, onde a qualidade dos produtos protegidos, como já hoje acontece com o vinho Alvarinho, constituirão obrigatoriamente motivo de escolha do consumidor pela segurança e proteção da saúde pública e do ambiente.

Ao efetuar-se o pedido de qualificação de Melgaço como IGP para o Presunto, Salpicão, Chouriça de Carne e Chouriça de Sangue pretende-se, de certa forma, contribuir para a criação de condições que permitam atenuar os fatores desfavoráveis visando fixar as populações rurais e melhorar o seu rendimento, valorizar a qualidade do fumeiro de Melgaço, afirmar e aumentar a competitividade do fumeiro de Melgaço em relação aos demais produtos nacionais e importados, valorizar e promover a gastronomia da Região, nomeadamente através dos aspetos culturais, gastronómicos e qualidade vitivinícola e procurar nichos de mercado.

presunto_foto_dr1301578a-01

Atualmente existem no concelho duas unidades licenciadas e uma em vias de licenciamento.

Estas empresas produzem vários tipos de enchidos e presuntos de qualidade regional, fabricados com equipamentos e tecnologias modernas, mantendo os métodos tradicionais de fabrico e os sabores tão característicos dos produtos.

Desde da sua existência que as suas linhas orientadoras são, a aposta na qualidade dos produtos que fabricam e a procura das melhores formas de comercialização dos mesmos, em articulação permanente com os seus clientes.

Os produtos produzidos são submetidos a um rigoroso controlo de qualidade a nível laboratorial (HACCP).

Quinta de Folga

Morada2  Lugar de Folga – Alvaredo – 4960-010 Melgaço
Mov_icon  967 076 079
Fax_icon  251 403 056
Mail_icon  quintadefolga@quintadefolga.com
web_icon  www.quintadefolga.com

Delicias do Planalto, Lda

Morada2  Rodeiro-Castro Laboreiro – 4960-110 Rodeiro
TeL_icon  251 465 513
Mail_icon  fumeirodoplanalto@sapo.pt

Palmira Rodrigues

Morada2  Rua da Oliveira, nº 195 – 4960 Vila
TeL_icon  251 402 531

Inês de Sousa Lobato

Morada2  Barbeito – Alvaredo – 4960 Melgaço
TeL_icon  251 416 220

Deolinda das Dores

Morada2  Lamas de Mouro – 4960 Melgaço
TeL_icon 251 466 037

Leonor Esteves

Morada2 Cima-Cubalhão – 4960 Melgaço
TeL_icon 251 487 147